sábado, 17 de novembro de 2012

Aspiração de corpos estranhos





Objetos pequenos podem não apontar sintomas imediatos quando aspirados, dificultando o diagnóstico clínico


Caracteriza-se “corpo estranho” qualquer objeto ou substância que, impensadamente, penetra o corpo humano ou suas cavidades. Pode ser ingerido, colocado nos condutos auditivos ou aspirado para os pulmões.  

A aspiração de corpo estranho é um acidente grave e potencialmente fatal, que pode ocorrer em qualquer fase da vida, alerta o dr. Ascedio Rodrigues, pneumologista e membro da SPPT.

“Cerca de 80% dos casos ocorrem em crianças, com um pico de incidência entre 1 e 3 anos de idade, e principalmente entre meninos.”

Amendoim, milho, feijão e sementes em geral são os principais elementos aspirados por crianças, correspondendo a 40% das ocorrências. Mas pedaços de brinquedos, brincos, tampas de canetas, entre outros, também são relatados.

Adultos raramente aspiram corpos estranhos, ocorrendo geralmente quando são submetidos a procedimentos em orofaringe, estão inconscientes por diferentes motivos (medicação, intoxicação ou politraumatismos) ou apresentam problemas neurológicos e psiquiátricos.

Segundo o especialista, nos adultos, a natureza do corpo estranho é altamente variável e muito relacionada aos hábitos e atividades profissionais: próteses dentárias, pregos, clips, estilhaços de acidentes e fragmentos de ossos e dentes são os elementos mais encontrados.

Asfixia, engasgo seguido de tosse, cianose perilabial (coloração azul-arroxeada dos lábios), principalmente em pacientes saudáveis, é bastante sugestivo de aspiração de corpo estranho. Nessas circunstâncias, o paciente deve ser encaminhado imediatamente ao hospital.

“Quando o diagnostico é tardio, o período entre o episodio de aspiração e o aparecimento ou piora dos sintomas como falta de ar, chiado, pneumonias de repetição e secreção purulenta, pode durar dias, meses ou anos, dependendo do grau de obstrução da via aérea e da natureza do material aspirado”, revela. 


Enviado por : Chico Damaso 

Nenhum comentário:

Postar um comentário